Maratona Literária

Eu sou completamente viciada em blogs de literatura, booktubers e etc. Um dos blogs que amo é o da Giu Fernandes. Conheci o blog pelo seu canal no Youtube e me apaixonei desde então. E a Giu junto com outros blogs de literatura, está organizando uma Maratona Literária!

Imagem

Como assim maratona literária? Bom, é o seguinte: Das 0h00 do dia 29/07 até às 23h59 do dia 04/08 nós teremos que ler a maior quantidade de livros/páginas possíveis. Sabe aquela pilha de livros-para-ler que você tem aí na sua estante? É dessa mesma que eu estou falando. Nós vamos devorar aqueles livros não lidos durante esse tempo!

Mas pode ficar calmo, que cada um estipula a sua própria meta. O que importa mesmo é ler mais do que você estava acostumado, sabe? Mas o legal do projeto é que compartilhamos tudo. A nossa experiência diária e semanal, nos blogs, para quem tiver, ou no Facebook, para os não blogueiros. Podemos publicar posts diários sobre o nosso desempenho, quantas páginas já conseguimos ler, se terminamos algum livro e etc.

A Giu fez um post explicando direitinho as regras e como participar, o click é mais que necessário para quem se interessar! E sabe o mais legal disso tudo? Ao final da maratona será sorteado um kit com vários livros de diversas editoras! Legal, né?

A minha meta é tentar ler o máximo de livros da pilha de livros não lidos. E isso inclui o novo livro do Dan Brown, o primeiro livro da trilogia Millenium, Garota Interrompida entre outros… Tô louca para lê-los e  fazer resenha para vocês!

Assim que este post for publicado eu já estarei automaticamente participando da maratona, e vou contar tudinho para vocês aqui no blog! Vamos ler juntos?

Anúncios

Entrevista it: Gabriella de Souza

Depois de um longo inverno tenebroso o blog voltou com mais uma Entrevista it! E dessa vez a minha escolhida foi a adorável Gabriella (ou Gabi). Ela tem 17 anos, mora em Curitiba e é uma bookaholic, igualzinha a gente. A Gabi é apaixonada por livros, Harry Potter, Senhor dos Anéis, Nárnia, entre outros. E tem uma estante para deixar qualquer um com inveja, acredite. Prontos para conhecê-la?

ImagemImagemImagemImagemImagemImagemImagemImagem

1) Você curte moda? Como você a usa no dia-a-dia?

Gosto sim, mas antes me interessava mais. Seria na hora de me vestir mesmo, só.

2) Quais são as suas peças de roupa/sapatos favoritos?

Sueter, moletom, calça preta, coturno, meu vans e alpargata.

3) Quais são as suas inspirações na hora de se vestir?

No momento eu não estou me inspirando em ninguém, mas gosto de como a Lauren Conrad se veste, e de como a Emma Watson, Marianna (blogueira finlandesa) e a Betty (blogueira francesa).

4) Qual a sua marca favorita?

Não sei, acho que não tenho uma marca favorita não.

5) Quais são as suas bandas favoritas?

Of Monsters and Men, Oasis, Casting Crowns, Coldplay, McFly, The Kooks, Maroon 5, Mumford & Sons, Red Hot Chili Peppers, Third Day e será que da para incluir City and Colour? apesar de ser de um homem só

6) E livros favoritos?

Harry Potter, Percy Jackson, O Hobbit, O Diário da Princesa, As Crônicas de Nárnia, Jogos Vorazes, Como Treinar o Seu Dragão, A Bússola de Ouro, A última Música, Alice no País das Maravilhas… ahh, tem tantosImagemImagemImagem

7) Qual é a sua dica de beleza e estilo para as meninas?

Não sejam vulgares, não é legal uaahahhau. Ah, não sei… eu não sigo nenhuma dica de beleza ou estilo. Visto aquilo que me agrada e que eu acho decente.

8) Quais os sites que você entra diariamente?

Twitter, Facebook, e de séries online hahahaha

9) Seus produtos de beleza favoritos?

As vezes eu uso a máscara de pepino da Avon Care, acho bem boa.

9) Qual a sua loja favorita?

Pode ser todas as livrarias? ahhahahuaua

 

Ela não é fofa, gente? Vocês podem achar a Gabi no Twitter e Instagram!

Resenha: As verdades que ela não diz

Imagem

Desde quando li Feliz ano velho, me apaixonei pelo Marcelo. Então, quando fui à livraria e vi o seu novo livro de contos e crônicas, não pensei duas vezes. Acabei lendo o livro em dois dias, me apaixonando pelo seus escritos, pela maneira como Marcelo escreve, e de novo, me apaixonando por ele.

O que comprei se chama ”As verdades que ela não diz”. É um livro que reúne os melhores contos e crônicas amorosas que ele já escreveu. Sinceramente, acho que todos deveriam ler esse livro, pelo bem da humanidade. Os contos são tão honestos, as vezes até demais, confesso. Mas Marcelo tem o poder de nos encantar a cada palavra que escreve e isso é um dom.

Além de ter sido escrito por ele, a razão pela qual comprei o livro é: Eu não tenho muitos livros de contos. Na verdade, tenho só um. E no meu curso de escrita criativa, o professor sempre pede para escrevermos contos, e eu simplesmente travo. Não leio contos e nem os escrevo. É péssimo. Então já fui à livraria com a intenção de adquirir um bom livro de contos. E quando vi ”As verdades que ela não diz” foi amor à primeira vista.

Para todos os blogueiros que falam sobre relacionamentos: Leiam esse livro, por favor. Como vocês sabem, eu gosto muito de escrever sobre amor e tudo o que vem com ele. Mas como escrevo bastante sobre isso, sempre tenho a impressão de que estou me repetindo e sendo extremamente clichê. Lendo o livro percebi que existem diversas formas de escrever sobre relacionamentos sem cometer esses deslizes. Obrigada Marcelo.

Para vocês realmente entenderem o que quero dizer, cá está um dos meus contos favoritos do texto. Só para deixar vocês com gostinho de quero mais.

“E daí que acaba

Não aguento mais ouvir uma voz feminina afirmar com amargura e rancor que não quer mais se casar. As muitas seguidoras de Paulo Mendes Campos acreditam que, se o amor acaba, para que começar outro.

São aquelas que se casaram de branco, no dia mais feliz de suas vidas, apaixonadas e entregues, mas que depois enfrentaram a ira de um ciumento, as neuras de um obcecado, as fraquezas de um viciado, se envolveram com famílias alheias intolerantes, conheceram a frigidez na rotina, a traição injusta seguida pelas mentiras incabíveis, e decidiram pôr um fim no sonho de eternizar aquele instante em que tudo parecia fazer sentido, em que os pombinhos nasceram um para o outro e morreriam grudados num fio eletrocutado ou numa praça poluída, na alegria e na desgraça.

Para aquelas que já passaram por um ou dois casamentos e tropeçaram no degrau da separação, em que a decepção trocou de lugar com o amor, e o futuro virou poeira, não aguento mais replicar:

“Se o amor nos enlouquece, imagine a loucura que é ficar sem ele.”

Para aqueles que dizem não acreditar mais no amor, proponho então experimentar outros amores e apostar nesse bilhete só de ida.

Uma noite de prazer acaba.

Um banquete acaba.

Uma viagem inesquecível acaba.

O fim de semana na ilha paradisíaca, um campeonato, o dia, o ano, o gozo, um livro, um disco, um banho de banheira e uma nhá benta acabam.

Como Sísifo, não por isso evitamos outros.

Os homens?

Vou lhes dizer: amamos tanto as que nos deram à luz, nos deram intuição, formas alternativas de pensar, mostraram detalhes que passaram despercebidos, exigiram atenção, dedicação, carinho, nos fizeram ser românticos, vencer a vergonha, e nos inspiraram músicas, poesias, até guerras, e nos ensinaram os diversos tipos de chocolates…

Se vocês não acreditam mais, quem acreditará? Lembrem-se de Nietzsche, que nos últimos dias numa vila italiana, com o calor na pele, viu alegria no niilismo e esperança no desamparo: “Cada passo mínimo dado no campo do pensamento livre, da vida moldada no seu formato pessoal, foi desde sempre conquistado com martírios espirituais ou corporais.”

Trégua.

Que venham os clichês. Cá está o ombro para o choro da mudança de humor inexplicável e inesperada. Quer que eu apague a luz na enxaqueca? Explico com toda a paciência a regra do impedimento, quem joga contra quem, e o que significa aquele quadro no alto da tela, em que três letras COR, vencem por 2×1 as três letras PAL.

Fique na cama na TPM. Trarei uma bolsa de água quente e o jantar. Sim, vamos comprar sapatos. Eu espero. Levo um livro, enquanto você experimenta a loja.

Adorei a cor do esmalte, o corte do cabelo. Batom vermelho te deixa mais bonita. Não, a calcinha não está marcando. Ah, põe o tubinho preto, se bem que gosto quando você coloca aquele vestidinho colorido. Não, o sutiã não está aparecendo.

Eu ligo para o despachante, faço um rodízio nos pneus, troco a bateria, reconfiguro seu computador, mando lavar o tapete, o forro do sofá, também adoro ele com almofadas indianas em cima.

Cuido de você na velhice, não te trocarei por uma adolescente que cheira a tuttifrutti,nem pela secretária vulgar da firma, amarei a sua pele um pouco mais flácida, seus seios naturalmente instáveis, seu corpo maduro, seus joelhos frágeis. E tomaremos vinho tinto todas as noites. Prefere branco? Que celulite?

Porém a maioria de vocês conhece agora as teclas de atalho, a pressão dos pneus, sabe chamar o seguro para uma pane elétrica, e que carrinho por trás dá cartão vermelho. Tornaram-se independentes.

Pesquisa da Serasa Experian mostrou que as mulheres são a maioria entre os mais ricos do país – segundo o estudo, cerca de 4,9 milhões de mulheres e 4,7 milhões de homens participam do grupo de mais prósperos do Brasil, as classes A e B, e que as mulheres ”ricas” somam cerca de um milhão, e 611 mil mulheres são executivas bem-sucedidas.

E nós. Último censo do IBGE: o número de divórcios triplicou, enquanto o de casamentos formais de papel passado caiu 12%.

O amor se tornou líquido, não é, Zygmunt Bauman? “Se hoje vivemos em redes virtuais, que aproximam e afastam as pessoas, somos capazes de manter laços fortes e relações verticais?”, pergunta.

Eu entendi, deixamos de preservar o passado e começamos a viver um presente perpétuo, a era do hedonismo e consumo desenfreado, vazio difícil de saciar.

Desistimos da sede pelo amor?

Não, mulher não é o apêndice do homem, mas a fonte original da vida e a nossa razão de ser. Não nos deixem desamparados. E aprendam com as nossas fraquezas e com todos os erros.

Amar ainda é a única maneira de convivermos com a sua delicadeza e alimentar nossa vocação de proteger e cuidar. Não façam do homem uma noite sem vento, um mundo sem gravidade. Parecemos tolos e infantis, controladores e insensíveis. Mas as amamos tanto…

Acaba mesmo?

Comece outro.

Antes que a amargura substitua o brilho dos seus olhos.

E a pieguice, a rima e as metáforas sejam extintas.”

Gostaram? Tem para comprar aqui.

Dica de livro em inglês: The Statistical Probability of Love at First Sight

Imagem

Cá estou com mais uma dica de livro em inglês. O título desse é gigante, eu sei, mas o livro é maravilhoso, não se desanimem! Assim como Coffeehouse Angel, esse aqui é YA, e é ótimo. Não é só aquela coisa: mocinha encontra mocinho > se apaixonam > vivem felizes. Não! É super diferente, começando pelo enredo.

O livro todo se passa em 24 horas, em uma viagem à Londres que Hadley faz. E adivinhem? Grande parte da história se passa dentro do avião! É muito diferente e bem bacana. E o fim é diferente de tudo que a gente imagina. Deem uma olhadinha na sinopse do livro:

Quem imaginaria que quatro minutos poderia mudar tudo? Hoje deveria ser o pior dia da vida de Hadley Sullivan. Ela está presa no aeroporto JFK, atrasada para o segundo casamento do seu pai, que está acontecendo em Londres e envolve a futura madrasta que Hadley nem conhece. Então ela conhece o garoto perfeito em um aeroporto lotado. O nome dele é Oliver, ele é britânico, e vai se sentar no 18C. Hadley no 18A.Em um período de 24 horas, a história de Hadley e Oliver vai fazer com que você acredite que o amor verdadeiro o encontra quando você menos espera.

Você pode estar pensando, ‘caramba, isso é muito clichê!’. Bom, é claro que tem o garoto e a garota que se apaixonam, né? Mas o que eu mais gostei no livro foi a relação da Hadley com o seu pai. Para mim, esse foi o ponto forte do livro. É muito emocionante ver a relação dos dois e como isso se desenvolve com o enredo.

Eu li esse livro muito rápido! Acho que em um dia eu já tinha começado e terminado! Mas essa é a vantagem de YA. Vou ser sincera, eu gostei bastante. Desejei um Oliver para mim, quis que a Hadley acertasse as coisas com o pai dela e acabasse bem. E quando eu terminei a última página já estava chorando horrores! E claro, desejando que aquela delícia de livro se estendesse para sempre.

Como em Coffeehouse Angel, acredito que quem sabe o básico de inglês consegue se virar bem como esse livro. É uma linguagem super fácil, dá para ler rapidinho! E o fato de o livro ser muito bom vai fazer com que você leia mais rapido ainda, aposto!

Para quem ficou interessada, mas não quer ler em inglês, também foi lançada a versão em português! Comprei pelo meu Kindle (na amazon), mas procurando na internet, eu achei o livro na Saraiva em português e em inglês eu achei só na Livraria Cultura. Mas em inglês também tem na loja Amazon, e você também pode baixar na internet, é só procurar!

E aí, se interessaram? Vão querer ler? Me contem tudinho depois, hein? <3

Hogwarts no Brasil?

Imagem

A escritora Renata Ventura, potterhead de carteirinha, estava sentindo um vazio tremendo com o fim da saga Harry Potter. E o que ela fez? Decidiu escrever como seria a comunidade mágica aqui no Brasil!

Só que por ser no Brasil, a história é um pouquinho diferente de Hogwarts. Por exemplo, temos 5 escolas em vez de uma só, uma para cada região do país, por conta do tamanho do Brasil e da quantidade de gente. E não é só isso, segundo a autora, cada escola é um pouquinho diferente: ”A escola de magia do nordeste, por exemplo, é a mais livre de todas, a mais alegre, em que os alunos irão se mostrar os mais corajosos quando o grande vilão surgir. Foi a primeira escola a ser construída no Brasil, logo depois do descobrimento, e eles têm muito orgulho disso. Já a escola do Sul é a mais parecida com Hogwarts, no sentido de uma maior organização, seriedade, qualidade de ensino, etc. A escola do sudeste é uma bagunça. Desvio de verbas… professores que faltam… aulas mal-planejadas… Uma maravilha. Foi construída em 1808, em homenagem à chegada de Maria, a Louca, em terras brasileiras. A do norte será a mais diferente de todas. Acho que vocês vão se surpreender. E a do centro-oeste é a caçula das cinco. Surgiu junto com Brasília, em 1960. Quem diz que o Niemeyer não era um bruxo, né?”

Eu estou achando isso tudo muito maravilhoso. Para nós, potterheads brasileiros, que estávamos sentindo falta de toda essa magia na nossa vida, ainda vamos ganhar esse presentão da trama se passar aqui, na nossa terra! Mas além disso, devemos sentir muito orgulho da Renata, porque o livro está sendo muito elogiado por usar a fantasia para tratar de temas serios do Brasil, como desigualdade social, preconceito, abandono, drogas e corrupção.

Mas bom, vamos a sinopse: “O ano é 1997. Em meio a um intenso tiroteio, durante uma das épocas mais sangrentas da favela Santa Marta, no Rio de Janeiro, um menino de 13 anos descobre que é bruxo. Jurado de morte pelos chefes do tráfico, Hugo foge com apenas um objetivo em mente: aprender magia o suficiente para voltar e enfrentar o bandido que ameaça sua família. Neste processo de aprendizado, no entanto, ele pode acabar por descobrir o quanto de bandido há dentro dele mesmo.”

O livro foi publicado pela editora Novo Século, e no total irão ser 5 livros. Renata Ventura deu uma entrevista completíssima ao site Impedimenta, venha aqui para ver.

E aí pessoal, vocês curtiram? Estão ansiosos para ler uma história de bruxaria aqui no Brasil? Eu sei que estou!

Se você tiver se interessado, e quiser comprar o livro, ele já está disponível online na Saraiva, Siciliano, Fnac e Cultura.

Dia mundial do livro: Vamos ler mais?

Imagem

Hoje, 23 de abril, se comemora o dia mundial do livro! Sabe o que aconteceu nesse tal dia 23, para escolherem como o dia do livro? William Shakespeare e Miguel de Cervantes morreram. Por representar o aniversário de morte de duas figuronas da literatura, a data ficou marcada no nosso calendário e permanece lá.

Nesse dia mundial do livro, eu venho à vocês com um apelo: Vamos ler mais. Não é com dinheiro, poder ou bombas nucleares que se constrói uma nação. É com livros. O meu maior medo é que as pessoas leiam ainda menos. Pensem comigo, a tecnologia evolui, e como! Mas, ultimamente, a maioria das grandes evolução foram para o lado das inutilidades, redes sociais, ou seja, perda de tempo! Cadê os grandes avanços onde realmente precisamos, para o lado da ciência? Imaginávamos que agora já estaríamos com alta tecnologia, viajando para a Lua como pegamos um vôo para São Paulo. Mas em vez disso, estamos enfurnados no Facebook. E não lemos.

O grande problema é que a chave para uma grande civilização é o conhecimento, e o obtemos através dos livros. Então por que ninguém gosta de ler? Poxa, nem uma história divertida? Nem um conto? Uma crônica pelo menos? Isso é triste.

Eu me lembro quando eu estava no primeiro ano, pela primeira vez (rs) e um menino viu que eu estava lendo um livro sobre política. Ele ficou tão surpreso e tão indignado, que me perguntou se meus pais estavam me obrigando a ler aquilo. Claro, porque política também é chato, né crianças. E quando você estiver na faculdade e tiver aquela rodinha comunista X direita discutindo, para qual lado você vai ir? Você nunca leu nada a respeito! Nunca se aprofundou para ver qual é realmente a sua opinião. Você vai deixar ser levado na onda?

Acho que quando a maioria dos adolescentes mimizentos pensam em livros, eles pensam naqueles gigantes, empoeirados, dignos de Hogwarts, sabe? Cheio de cálculos. Não funciona assim, gente. Vou dar uma notícia que vai mudar a sua vida: Existe livro sobre tudo quanto é tipo de coisa! Você gosta de computação? Então procure um livro sobre o assunto! Não precisa ler um romance, não precisa ler poesia. Apenas se inicie nos livros. Depois as palavras vão acabar te seduzindo.

O meu ponto é: que tipo de pessoa você quer se tornar? Em que tipo de ambiente? Sabe todas aquelas horas que criticamos os nossos pais? Parece fácil, né? Mas precisamos nos policiar constantemente para não fazermos as mesmas coisas. Então em vez de criticar, tente melhorar em você. Tente ser uma pessoa melhor. Para, futuramente, ser uma mulher melhor, ou um homem melhor. Que tipo de adulto você quer ser? Um que lê ou um que não lê?