Você precisa ver: Ruby Sparks

Faz um tempinho que não falo de cinema aqui, né? Agora é a hora de matar as saudades! Hoje eu vim com uma dica incrível para todos os fãs da sétima arte: Ruby Sparks.

Imagem

Esse é um filme obrigatório para todos os escritores ou quem quer se tornar um. É simplesmente fantástico, minha gente. Assim que o filme acaba dá uma vontade incontrolável de simplesmente escrever. Mas vamos a sinopse!

Calvin é um jovem escritor considerado gênio que está passando por um bloqueio criativo. Com isso, o seu psiquiatra sugere que ele escreva sobre alguém que veja Scotty – o seu cachorro que tem medo das pessoas –  e goste dele mesmo assim, do jeito que ele é. Com isso, Calvin tem um sonho com essa cena que o seu médico sugeriu, e vai correndo escrevê-la. Assim ele cria Ruby, uma artista ruiva, que gosta de longos passeios, nadar na piscina da sua casa e de caras mais velhos.

Depois de passar muitas horas escrevendo ”para passar um tempo com Ruby”, Calvin acorda atrasado para um compromisso e acaba dando de cara com Ruby na sua cozinha. Apavorado, ele tenta se esconder e imagina que aquilo é um sonho, já que Ruby não poderia existir na vida real.

Depois do conflito inicial, Calvin percebe que ele não está maluco e que outras pessoas podem vê-la. Então começa um romance real com ela. A apresenta para os seus pais, sai com ela, enfim, eles viram um casal de verdade. Mas com um bônus: Quando Ruby faz algo que ele não deseja, ele pode mudar, com algumas palavras na sua máquina de escrever.

A questão do filme é essa, se queremos uma pessoa perfeita, que corresponda aos nossos comandos, ou alguém real para dividir a vida.

Uma curiosidade: ”Ruby e Calvin”, os atores Paul Dano e Zoe Kazan são namorados na vida real! E mais, a Zoe foi a escritora do filme! Não é legal?

E aí, vocês já assistiram?

Anúncios

Meus momentos favoritos do Oscar

Imagem

Eu sei gente, eu sei que o Oscar já aconteceu há muito tempo. Mas, como eu não tinha comentado sobre ele antes, aproveitei para rever, me emocionar novamente, e contar os meus momentos favoritos para vocês.

Não é segredo para ninguém que eu sou uma viciada em cinema. Em filmes. E principalmente, nessa indústria maravilhosa que realiza sonhos e nos faz chorar. E rir. E viajar no tempo. Então vamos começar, né?

Eu nunca chorei com os livros do Nicholas Sparks. Muito dificilmente derramo lágrimas com filmes de romance. E não, eu não chorei em Titanic. Coração de pedra? Dificilmente. Quando essa apresentação maravilhosa começou, meu corpo ficou todo arrepiado e cheguei a tremer um pouco. E quando acabou, eu estava chorando desesperadamente. É um dos momentos do Oscar que mais me emociona, e me traz orgulho de todos que participam do filme. Sim, é a performance do elenco maravilhoso de Les Misérables. Gente, até o Daniel Day-Lewis se levantou para aplaudir! O que significa que foi muito, muito foda.

Eu sou completamente apaixonada pela Anne Hathaway desde que a vi em O Diário da Princesa. Ela é uma atriz incrivelmente talentosa, engraçada e principalmente, humana. Eu amo o jeito não hollywoodiano dela e não pude deixar de derramar umas lágrimas quando ela ganhou o Oscar. Era o sonho da vida dela, e se realizou. É de arrepiar, realmente.

No Oscar, tem um momento que eles reservam para homenagear todos os grandes artistas que faleceram naquele ano. É o chamado ”In Memorian”, e é sempre muito emocionante. Esse ano ficou mais emocionante ainda pela performance incrível da Barbra Streisand. Ela cantou belamente The Way We Were, em homenagem à um amigo artista que havia falecido. Foi incrivelmente tocante.

Adele foi uma das grandes vencedoras da noite. Ela ganhou o Oscar de melhor canção original (Aliás o momento dela ganhando o Oscar é adorável! Ela fica muito emocionada e faz força de verdade para não cair no choro. Uma linda <3), mas antes de ganhar, cantou ao vivo Skyfall, a música tema do filme do James Bond. Acho que nem preciso dizer nada, né? É a Adele! Ela é maravilhosa.

Acredito que todos saibam a história do Ben Affleck, né? Há muito tempo atrás, ele ganhou um Oscar, mas nunca pensou que iria voltar a pegar em uma estatueta novamente, por conta do seu comportamento. E das besteiras que fez. Mas não só voltou, como o seu filme, Argo, ganhou diversos prêmios, incluindo Oscar de melhor filme! E o discurso dele é muito lindo. Ele agradece a esposa (e não é só um ‘obrigado’ automático. Nós realmente sentimos a profunda gratidão, amor e respeito que ele sente por sua mulher, Jennifer Garden) e fala que realmente nunca achou que ia voltar lá. E no final ele diz, super emocionado “It doesn’t matter how you get knocked down in life, ‘cause that’s gonna happen. All that matters is you gotta get up.”. LINDO! <3

Daniel Day-Lewis é a minha inspiração para a vida. Tem uma carreira sólida, é um dos grandes mestres de Hollywood e é super simples. E eu não preciso dizer que ele é lindo, maravilhoso, preciso? Bom, esse ano ele fez história ao ganhar PELA TERCEIRA VEZ (!) o Oscar de melhor ator. E o discurso dele foi super engraçadinho e lindo. Ele e a Meryl Streep são tudo de bom. Acho que deveriam ser um casal, só acho. <3

Bom, então acho que é isso. Esses são os momentos favoritos e mais emocionantes do Oscar para mim. Espero que vocês tenham curtido, apesar do Oscar ter sido à 3 meses atrás! hahaha. Depois me digam quais são os seus momentos favoritos dessa celebração maravilhosa, viu?

A banda do Woody Allen

Kubrick, Almodóvar, Godard, Fellini e Spielberg que me perdoem, mas o Woody sempre vai ser o meu favorito. Quando eu começo a falar de cinema com alguém, as pessoas me perguntam porque eu prefiro o Woody, afinal, existem diretores muito melhores, né? Bom, eu vou lhes dizer o porquê: Eu acho que ele é um artista completo. Ele atua, dirige, escreve e ainda é musico! E amo a personalidade dele, essa coisa neurótica do começo da carreira que aparece tanto em Annie Hall, e ainda é presente em todos os seus filmes.

Woody Allen é musico? Essa é a reação da maioria das pessoas que não são tão obcecadas pela vida do diretor quanto eu, hehe. Mas sim, ele é! E quase ninguém sabe. Me mandaram o documentário dele (as pessoas me mandam tudo dele, porque todos sabem que sou apx pelo woodyzinho <3) pouquíssimo conhecido, onde mostra a turnê européia da sua banda: New Orleans Jazz. 

Antes de tudo, ele não canta, tá? Ele toca clarinete! Se você se interessou e quer saber mais sobre isso e assina a Sky, é só entrar no telecine play. Agora se você não tem, tudo bem, você não vai ficar sem ver! O documentário está no youtube! Tá esperando o que? Dá o play logo!

E aí, qual é o seu cineasta favorito?