Agradecimento

Image

Quietude. Silêncio. Nem uma carta, nem um telegrama, nem um telefonema. Nem umzinho. Mas o que eu tanto procuro, afinal? Te mandei ir embora. E tu foi mesmo. Sem olhar para trás. Sem se lembrar de mim. Sem nem um próprio adeus. Só foi. Acho que a grande diferença entre nós, é que eu sempre coloquei aquele ”nós” acima do meu ”eu”. Portanto, não importava quanto você me machucava, eu fincava o pé no chão e pensava que você só estava dizendo aquelas coisas porque tinha medo de ser amado e de estar em um relacionamento de verdade. E em todas as vezes que você terminava de mentirinha comigo, eu ia até você, com a maior paciência do mundo, para conversar. ”Calma, meu amor, o que houve? Por que você tá nervoso assim? Não, não é bem assim…” Eu sempre tive que aguentar tudo, mas não você. E isso não é justo mesmo. Nós nos abandonamos. Ficamos, não naquele silêncio íntimo, mas sim naquele constrangedor. O silêncio grita. Tu me abandonaste e viraste as costas, como tantos outros fizeram.

Não sinto a sua falta. Sinto falta de como você me fazia sentir. Daquela sensação de se estar no topo do mundo…. Mas você me tirou isso. E isso é muito chato. No começo, eu me sentia perdida, sem rumo. Não sabia o que fazer. Eu tinha muito tempo livre e nenhuma ideia de o que fazer com ele. Depois que você foi embora eu percebi que perdi a noção de quem sou eu. Me perdi no ”nós”. E agora estou me achando.

Nesse silêncio que me aflingia, eu consegui gritar. E meu grito foi ouvido. Claro, que o pensamento de ”Será que ele pensa em mim, de vez em quando?”, não vai embora de vez, mas a cada dia que passa fica melhor. Estou me libertando das correntes que me prendem ainda que involuntariamente á você. Graças aos meus amigos e a minha família, eu estou me recuperando do furacão-termino. O primeiro passo foi aceitar. Te deixar ir. Chorar, soluçar, e deixar o luto se apossar do meu corpo. E depois eu acabei descobrindo que gostava muito mais de mim quando estava sem você. Eu comecei a me conhecer de novo. Estou me conhecendo de novo. Escrevendo mais, lendo mais, vendo mais filme e escutando mais musicas. E agora estou livre para ser quem eu quiser. Estou livre para ser simplesmente, eu, sem você se intrometendo por perto. Eu estou livre para planejar viagens, trabalhos, e sonhos, que são só meus, e de mais ninguém. Eu acabei descobrindo que ninguém pode me tomar isso. Acabei descobrindo o que a maioria das pessoas demoram uma vida toda para descobrir: O amor não é a solução. O amor não é a resposta para os nossos buracos, nem para as nossas falhas ou vazios. Nós precisamos completar a nós mesmos, e nunca por a nossa felicidade nas costas dos outros.

”Não ame alguém que te completa. Ame alguém que te transborda”. 

Então obrigada. Por me fazer perceber que eu que sou muito para você, e não ao contrário. Obrigada por me fazer entender o verdadeiro significado do amor, com essa pouca idade. Obrigada por ser mais uma pessoa que eu não quero na minha vida, porque já facilita muito o caminho para achar qual pessoa eu quero.

Anúncios

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s